Óleo bronzeador: perigoso ou benéfico?

Debe saber como bronzear de forma segura e saudável

Com o verão chegando, nada melhor do que curtir uma boa praia ou piscina com a família e amigos. Mas muita pessoas que gostam de se bronzear, às vezes recorrem a recursos não muito confiáveis, como óleos de bronzeamento caseiro. Para garantir a saúde da pele e nenhum problema futuro com o corpo, óleos de marcas reconhecidas como a Nivea e Sundown, além de bronzeamento artificiais feitos com creme por clínicas estéticas reconhecidas são a melhor opção. Nesse caso, não estamos falando de bronzeamento artificial em que a pessoa entra em uma câmera bronzeadora, mas sim feito por produtos testados dermatológicamente e aplicados por profissionais.

Muitas mulheres usam um óleo caseiro, seja de urucum ou de folha de figo, como opção para se bronzearem. Mas óleos caseiros não são confiáveis justamente por causarem queimaduras, manchas e lesões na pele. O óleo de folha de figo chega a ser mais perigoso ainda por poder causa queimaduras de segundo grau.

“As conseqüências do óleo (de folha de figo) não aparecem na hora, levam cerca de dois dias para se manifestar no corpo”, disse o médico Luis Macieira, chefe do setor de Tratamento de Queimados do Hospital de Andaraí, no Rio de Janeiro, em entrevista so site G1. De acordo com ele, as consequências são sérias, já que aparecem placas vermelhas e bolhas que podem avancar para um quadro de queimadura de segundo grau.

Em entrevista ao site Minhavida.com, a coordenadora do ambulatório especializado em cosmiatria, um ramo da área de dermatologia voltado para a estética, da Unicamp, Raquel Tancsik Cordeiro, explicou um pouco sobre o que é exatamente o bronzeamento. “Nada mais é que a pigmentação da pele devido ao aumento da produção de melanina em resposta à agressão causada pela exposição à radiação ultravioleta”. Logo, não é recomendável recorrer a métodos não confiáveis de bronzeamento. O  cuidado deve ser dobrado.

A câmera de bronzeamento artificial, por exemplo, utiliza raios UVA e deixa a pele bronzeada após 30 minutos de exposição. O problema desse recurso é que apesar de não causar queimaduras, não há como controlar os níveis seguros de exposição. A dermatologista esclarece que os raios UVA podem induzir ao câncer, além de causar envelhecimento precoce.

Para quem preferir recorrer a um profissional, a dica é procurar clínicas estéticas que oferecem tratamentos autobronzeadores. A aplicação é feita com uma loção rica em dihidroxiacetona (DHT) capaz de mudar a cor da pele, mas que não é nociva à saúde. De acordo com a dermatologista, essa substância só atinge a camada superficial da pele e que raramente causa alergia, logo para evitar qualquer pequena alteração, é recomendável testar em uma pequena área do corpo.

Confira várias dicas de como se proteger do sol!

Foto Óleo bronzeador: vitrineglamour.blogspot.com

Autor: Mariana Valle

Blogger na rede The Diktyo SL.Cursando Comunicação Social - Jornalismo na UFRJ.

Um comentário em “Óleo bronzeador: perigoso ou benéfico?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *