Moda reciclada

Exemplo de roupa feita de roupa pela feitas por Gabriela Mazepa

Peças encalhadas não são mais uma preocupação. Estilistas, como a uruguaia Agustina e a brasileira Gabriela Mazepa, resolveram dar um basta e reaproveitar o que não era vendido em novas coleções.

A cada temporada é incontável o número de peças como blusas, calças e vestidos que não são vendidos e ficam nas araras das lojas sobrando. A fabricação em grande quantidade também é um dos motivos da grande sobra de roupas.

Em vez de descartar em algum lixo e até mesmo queimar, a reciclagem de peças surgiu como uma solução, além de ter um compromisso com a sustentabilidade. De uma calça pode surgir um colete, ou de um vestido uma blusa.

Em entrevista para a Marie Claire, as estilistas Agustina e Gabriela contaram sobre a nova experiência. “O processo é muito desafiador. Gostamos de manter o DNA da peça original, afinal houve um esforço anterior, mantemos a costura, cortamos”, comentou a uruguaia. Nascida em Montevidéu, a estilista mora há sete anos em São Paulo e comanda a marca In.Use, junto com a sócia Ana Piriz.

“Chegamos a resultados que nunca conseguiríamos com o lápis e papel”, conta. A história da marca começou há três anos quando uma grife uruguaia propôs às duas a criarem uma linha feita com sobras de estoque. A produção de peças ainda é pequena, mas elas já falam sobre suas experiências em reciclagem de peças em palestras e em faculdades de moda no Brasil, e em outros países da América do Sul.

A estilista brasileira Gabriela Mazepa segue a mesma linha e sua função é eliminar os rastros da peça original. No comando da marca Conexão, Gabriela ganhou um prêmio do governo inglês por seu trabalho. A premiação é um estímulo para iniciativas em moda. A oportunidade surgiu quando a brasileira fechou uma parceria com uma empresária do Sri Lanka. “Em Londres, surgiu a oportunidade de desenvolver coleções para reaproveitar os excessos. Trabalho basicamente com malha. É um quebra-cabeça criar um molde que seja adaptável a qualquer situação”, explicou.

“Criar sobre o que já foi criado é uma nova forma de fazer moda”, comenta Agustina. Com a dinâmica do mercado surgiu um novo tipo de produção na área da moda. A reciclagem de roupas surge como uma opção não só econômica, mas também sustentável. É uma nova possibilidade de fazer moda e de oferecer aos consumidores um produto que seguiu uma linha de produção alternativa.

Confira algumas peças aquí.

Gucci lança óculos eco-friendly

Ainda na moda sustentável, a Gucci é mais uma marca compromissada. A marca lançou uma linha de óculos eco-friendly junto com a fabricante Safilo. Os acessórios foram produzidos com o acetato “da nova geração”, que é feito com mais elementos naturais do que é usado normalmente. Os acessórios da linha eyewear também foram feitos de materiais alternativos, no caso derivados da semente de mamona. Gucci e Safilo também anunciaram que a partir de 2012, os catálogos de óculos da marca italiana serão feitos com papel certificado, opção alternativa ao papel reciclado.

Autor: Mariana Valle

Blogger na rede The Diktyo SL.Cursando Comunicação Social - Jornalismo na UFRJ.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.