Gisele Bündchen na Vogue

Gisele Bundchen é o tema de capa da revista de moda Vogue

A Vogue de julho traz uma edição especial com quatros versões de capas diferentes com a modelo Gisele Bündchen. Entre os vários estilos, a top aparece vestindo roupas de moda militar, além da moda praia verão 2012.

Gisele foi clicada na Amazonas por Jacques Dequeker e em Nova York por Patrick Demarchelier. São 32 páginas com a modelo, além de uma entrevista para a Vogue em que fala sobre ativismo e sobre as causas relacionadas à sustentabilidade que abraçou. “Os projetos que abraço exigem tempo e dedicação, e sempre me pego tentando fazer milagres com minha agenda para encaixá-los. Cresci próxima à natureza e prezo muito esse contato. Quero o mesmo para meu filho”, disse. A modelo também foi ganhadora do Prêmio de Cidadã Ambiental Global 2011, concedido pela Harvard Medical School.

Sobre as capas da Vogue, Daniela Falcão, diretora da redação da revista, comentou: “Como escolher apenas uma foto dela? Não houve consenso, então resolvemos publicar quatro”, conta. “A do maiô é linda e tem apelo fashion. É um statement de moda e de atitude. A do tricô costuma agradar mais ao público masculino”, disse.

E há uma surpresa para os assinantes. Eles ganharão uma quinta versão, em que Gisele aparece de maiô na capa sem chamadas. Seria uma foto para colecionar. “Quisemos mesmo fazer desta edição um presente para o leitor de banca e um agrado para a assinante”, explicou a diretora da redação.

A carreira de Gisele

Da cidade de Horizontina, no Rio Grande do Sul, a modelo foi descoberta aos 14 anos por um olheiro em um shopping.

Esse foi o começo de uma carreira recheada de sucessos e grandes trabalhos para grifes renomadas como Valentino, Zara, Bulgari, Versace, Victoria’s Secret, Ralph Lauren, Tommy Hilfiger e Dolce & Gabbana. Em capas de revistas como Marie Claire, Vogue, Arena, Forbes, Vanity Fair, Time, Newsweek e Rolling Stone. E Gisele é uma das modelos mais bem pagas do mundo.

A brasileira já foi eleita a Modelo do Ano pela revista Vogue e a Garota mais Linda do Mundo pela Rolling Stone no ano de 2000. Gisele também já se aventurou no cinema, trabalhando como atriz nos filmes Táxi e O Diabo Veste Prada.

A modelo é ligada a causas sociais. Ela já doou todo o seu salário de uma semana de desfiles feitos na São Paulo Fashion Week para o programa do governo Fome Zero. E em 2009, ela foi nomeada Embaixadora da Boa Vontade das Nações Unidas para questões relacionadas ao meio ambiente.

Foto: Tiago Chediak no Flickr

Destaque da moda: Carol Trentini

O modelo brasileira Carol Trentini em um anúncio da Gucci

Carol Trentini foi um dos grandes destaques do desfile da coleção primavera/verão da Cantão, no Fashion Rio. A modelo, de apenas 23 anos, alcançou o sucesso e é uma das brasileiras mais bem sucedidas na área não só no país, mas no exterior.

Primeira a pisar na passarela no Píer Mauá, num dos eventos de moda mais importantes do país, Carol entrou com um look que anunciava como seria o desfile da Cantão. Construção de colmeias de abelha e os jogos de encaixar surgem como as formas trabalhadas nas peças de linhos, algodão, jeans, moletom, malha, seda, tricô e chamois.

Costas abertas, decotes em V, estampas simulando recortes, construções assimétricas e muito brilho dourado fizeram parte da coleção da marca, para a próxima estação. Confira as fotos do desfile! A modelo também foi um dos destaques da passarela e vai estar nos holofotes novamente no São Paulo Fashion Week, desfilando para Água de Coco.

Gaúcha de Panambi, a modelo foi descoberta por um agente nas ruas de São Paulo. Ela enfrentou dificuldades no início da carreira, aos 14 anos, pois não tinha recursos financeiros para pagar cursos de modelo. Mas o começo difícil não serviu de obstáculo para tentar. Um ano depois, Carol já estava em Nova York  desfilando.

Com mais de 10 anos de carreira, ela já participou de mais de 80 desfiles, estrelou campanhas de grandes marcas como Marc Jacobs, como também foi capa da Elle, Vogue, além de ter sido garota-propaganda da Gucci e da Dolce & Gabana.

Em 2005, ela fez a estreia do seu primeiro desfile para Victoria’s Secret. Nos últimos desfiles outono/inverno 2010, Carol entrou na passarela pelas marcas Louis Vitton, Loew e Giles.

Em entrevista para Marie Claire, a modelo diz que não pensa em diminuir o ritmo da carreira. “Acho que há muita coisa para fazer. Gosto do momento em que estou, gosto de onde eu cheguei, mas tenho sonhos e outros trabalhos para realizar na moda antes disso”, disse.

“Eu já fiz muito o universo fashion, fiz trabalhos comerciais, então posso me dar ao luxo de ser mais cautelosa nas escolhas que faço agora. Mas ainda tem fotógrafos com quem eu gostaria de trabalhar. Já tive aquela fase mais “doida”, que acho importante a modelo ter, na qual a gente fica mais exposta, só que isso passou”, respondeu Carol sobre o que gostaria de ter feito e ainda não realizou.

Foto: calliope_soho no Flickr

Lea T: a modelo brasileira do momento

Lea T continuou sua carreira de modelo, apesar de ser transexual

Leat T foi um dos destaques do Fashion Rio este ano. Desfilando pela marca Blue Man, a modelo arrancou aplausos da plateia. Filha do ex-jogador de futebol e atual técnico do Sport Club do Recife, Toninho, Lea T não é mais conhecida como “a filha de Toninho”. A modelo, que é transexual, ganhou as passarelas, talkshows e capas de revista do mundo inteiro.

O sucesso começou ano passado, ao protagonizar a campanha outono/inverno 2010 da Givenchy. Riccardo Tisci, quem comanda a grife, disse na época que a escolha da brasileira  “reforçava a dicotomia masculino/feminino” que costumava desenvolver no design das roupas da marca. A modelo ainda ganhou no mesmo ano um perfil na revista Vogue, com direito a uma foto nua. Só que para surpresa de muitos, Lea T era transexual.

Para causar ainda mais alvoroço, Carine Roitfeld, editora da Vogue Paris, estampou a modelo nua na capa de uma das edições da revista. Tudo isso porque Lea é considerada uma das maiores promessas da moda. Depois, a brasileira teve oportunidade de desfilar na Semana de Moda de Paris.

Lea começou a carreira de modelo quando era adolescente. Ela chegou a trabalhar como modelo masculino, mas era frequentemente confundida com mulher. “Geralmente, quando entrava para o casting masculino, sempre vinha alguém me dizer: ‘As garotas devem ir para o outro quarto’”, contou em entrevista ao IG. “Eu ficava vermelha, ou melhor, vermelho de vergonha.”

Lea saiu do anonimato graças a Riccardo Tisci, diretor de criação da Givenchy, quem a incentivou a seguir a carreira mesmo sendo transexual. Quando a mídia descobriu que ela era filha de um famoso jogador brasileiro de futebol, o alvoroço foi enorme. O jornal britânico The Guardiam chegou até a fazer um perfil da modelo e a classificou como “a primeira supermodelo transexual” de destaque.

A brasileira foi capa de grandes revistas como Vogue, foi também na capa da revista Love beijando na boca a modelo Kate Moss, além de ter sido entrevistada pela Oprah. Ela também desfilou para Alexandre Hercovitch, no São Paulo Fashion Week em janeiro, depois de anos sem voltar ao Brasil. Confira as fotos do destile no IG.

Em entrevista ao Estadão, a modelo explicou porque depois de tanto tempo só voltou ao país este ano. “Só voltaria por um motivo muito bom. Quando o convite do Herchcovitch chegou, tive o motivo. Adorava. Descobri o Herchcovitch por meio da Geanine Marques. Um dia vi a foto dela e disse para o Riccardo (Tisci) que ele tinha que chamá-la para um desfile. Ela, com seu jeito andrógino, que tanto simbolizo, chamou minha atenção. Depois é que soube que o desfile era do Alexandre”, disse.

Lea T foi eleita uma das 50 modelos mais bem-pagas do mundo pelo site Models.com. A brasileira, que faz terapia hormonal, pretende fazer em breve uma operação de troca de sexo.

Foto: synaes no Flickr