As dinastias mais importantes da moda

A Geórgia May Jagger aparece nesta edição especial da Vogue UK

A edição da Vogue UK de julho traz uma matéria especial: um perfil das dinastias mais importantes da moda. Neste perfil, estão incluídos modelos, aristocratas, estilistas, jet-setter, incluindo personalidades brasileiras, como a carioca Andrea Dellal, que foi modelo nos anos 80.

Andrea desfilou para os importantes estilistas e é mãe de Charlotte Dellal, a designer por trás da marca de sapatos inglesa Charlotte Olympia, e de Alice Dellal, modelo que já fez campanhas para Alexander Wang e Agente Provocateur. Andrea é irmã da estilista Patrícia Viera e da ex-modelo Cristina Viera, mãe de Harley Viera-Newton, DJ e embaixadora da Dior.

Outro clã da moda são os Brandolini que têm raízes na aristocracia italiana, além de uma mistura com o sangue brasileiro. É o caso da condessa Georgina Brandolini, nascida no Brasil, que trabalhou com Valentino e Oscar de La Renta. Suas filhas seguiram o mesmo rumo. Bianca Brandolini virou modelo e atriz, além de ser musa do estilista Giambattista Valli. E Coco Brandolini trabalhou para Nina Ricci e Alberta Ferretti, além de outras grifes.

Da aristocracia do rock, a família Jagger também entrou na matéria da Vogue. Jerry Hall, a segunda esposa de Mick Jagger, era modelo e tinha trabalhado com Thierry Mugler a Karl Lagerfeld. As filhas do cantor seguiram o mesmo caminho Lizzy Jagger desfilou para Vivienne Westwood e Georgia May Jagger fez para campanhas da Versace. Em junho, Georgia esteve no Brasil para o Fashion Rio.

Em entrevista para Vogue, Georgia, de 19 anos, falou um pouco de sua carreira. “Eu acho que você tem que saber que a carreira de modelo é curta, a não ser que você seja a minha mãe, que trabalhou muito tempo. Por isso, penso muito no futuro, no meu próximo passo”, disse a modelo.

A filha do Rolling Stone também se mostrou apaixonada por fotografia. “Me interesso muito mesmo por fotografia. Toda vez que trabalho com um fotógrafo famoso, tento aprender tudo. Vou começar em breve um curso na LCC (London College of Communication) em Londres, já estou até procurando uma casa em Notting Hill. Quero saber tudo sobre luz, composição, para depois também começar a filmar algumas coisas, outra vontade que tenho”, disse à revista.

Sobre ser filha de um dos maiores astros do rock, a modelo comenta as vantagens e desvantagens. “A melhor é que eles (Mick e Jerry Hall) são incríveis e são meus pais. E eu os amo. A pior é ter as pessoas achando que porque você é filho de alguém famoso, não faz nada. Por exemplo, quando fiz a coleção para a Hudson, disseram que eu só coloquei meu nome lá. O que não é verdade, porque eu adoro participar do processo todo que envolve a moda. Ah, e os paparazzi. Se bem que só me fotografam em outros países. Quando estou na Inglaterra vou ao supermercado, fazer compras na Liberty e na Selfridges sem ser notada. Acho que uma única vez uma pessoa me reconheceu na rua”, comentou Georgia.

Foto: r9M no Flickr

Um guia de ateliês e brechós no Rio de Janeiro

Há muitos ateliês e brechós no Rio de Janeiro

Para estudantes de moda ou clientes assíduas de brechós e ateliês, idas a esses lugares são muito frequentes.  Conseguir achar aqueles locais perto de casa ou do trabalho seja para comprar roupas de grife por um preço mais barato, garimpar acessórios clássicos ou mandar fazer aquela peça de roupa que precisa e tanto quer, às vezes fica difícil. Para facilitar a vida de muitas mulheres cariocas, há dois livros que devem estar dentro das bolsas de todas: Guia de brechós do Rio de Janeiro, de Manuela Borges e Guia de Ateliês do Rio de Janeiro, de Marina Ivo, ambos da Editora Memória Visual.

O guia de brechós traz os endereços de mais de 50 lugares na cidade. A autora, que fez Design Gráfico na PUC-Rio e trabalha com marketing de moda, listou os brechós em categorias para facilitar ainda mais a busca pelo gosto da cliente. São elas:

  • Clássico: é aquele típico brechó antigo, que há inúmeros na Zona Sul, cheio de araras com roupas de vários estilos e décadas.
  • Chique: é o brechó mais arrumado e moderno que oferece peças e acessórios de marca por um preço muito mais barato.
  • Pop: é o tipo de brechó que tem na vitrine as últimas tendências da moda.
  • Infantil: brechós especializados em moda para crianças. É muito comum achá-los na Barra da Tijuca.

Há também um passo-a-passo para as garimpeiras de brechós de primeira viagem.

A jornalista Marina Ivo ao escrever o livro de ateliês, ela os classificou por faixas de preço. Isso faz com que a leitora já tenha uma ideia do que esperar quando for aos endereços. O guia está dividido por bairro e apresenta uma pequena introdução de cada ateliê, sobre os estilistas além de informações sobre contato e hora de atendimento. A autora usou uma linguagem informal, o que cativa a leitora e a prende nos pequenos detalhes. E para melhorar, no final de cada capítulo, ela ainda dá dicas de lugares gastronômicos perto dos ateliês que valem a pena ser conferidos seja para experimentar uma sobremesa ou uma bebida.

Os dois guias são finos e em formato de bolso, cabendo na bolsa de quem queira se aventurar em uma busca no mundo da moda. Práticos e rápidos de serem lidos, eles oferecem um bom roteiro de lugares seja para clientes antigas que sempre estão buscando novas opções ou para consumidoras de primeira viagem que estão trilhando novos caminhos no mundo fashion.

No site da Editora Memória Visual há os endereços das lojas que vendem os guias.

Foto: Rodrigo_Soldon no Flickr